Família: eu coloco a minha acima de tudo e todos, e você?

Já saí de várias discussões sobre família e filhos só para não gastar saliva e energia. Quando você se expõe nas redes sociais escuta muita coisa que não agrega. E alguns vão além, sem calçar os seus sapatos, querem dar pitaco na sua vida.

Sugestões serão sempre bem vindas, desde que sejam para o bem. De fato, críticas maldosas são diferentes das construtivas. Então, pensem antes de fazer suas colocações. 

E uma mãe que mora fora de seu país de origem não é melhor nem pior que ninguém. As batalhas é que são diferentes, por opção conjunta ou própria. 

Como mãe expatriada, quero compartilhar com vocês quatro pontos que me incomodam profundamente. 

A vida é perfeita no exterior

“Ah, mas a fulana mora lá fora e tá super bem lá. É outro mundo.”

Hello? Esqueça a Disney, estamos no mesmo planeta. A vida de uma mãe expatriada no Canadá, hoje, pra mim, é uma questão de trocas. E são pontos que muitas vezes pesam. Troquei muitos confortos pela oportunidade de viver com mais segurança e abrir novos caminhos para minha família.

A propósito, sinto falta de bastante coisa. Mas sou realizada por aqui. 

Distância da família

“Triste é abandonar a família”

Não, ninguém abandona a família. Ela está lá e sempre estará. Sei de muitas famílias que inclusive se reaproximaram com a distância. Quem te quer bem, estará sempre junto, longe ou perto. 

Idioma

“Mas como é que seus filhos não falam Português”?

Não, nem todas crianças aprendem o Português e isso não é relaxamento dos pais. Eu desde sempre trabalhei firme para que meus filhos tivessem interesse pelo idioma, como senti abertura por parte deles, pisei fundo. Nunca foi uma obrigação, sempre um prazer. 

Contudo, conheço muitas crianças que se negam a aprender o Português e ponto. 

Condenar os pais como se isso fosse um fracasso é totalmente desnecessário. Por mais que eles se esforcem, não existe receita de bolo. Respeitem essas diferenças. 

O retorno

“Eu já imaginei que isso fosse acontecer, mas não queria te falar”

Sim, tenho uma amiga que voltou para o Brasil depois de alguns anos no Canadá e teve que escutar isso. Inevitavelmente o sentimento de derrota bateu. 

O fato é que planos podem sim serem refeitos. Sobretudo, nem todo mundo se adapta ao Canadá, e isso não é vergonha ou falta de competência. A propósito, ninguém merece ser infeliz pra deixar os outros satisfeitos.

É importante saber o seu limite e correr para onde estiver o seu sol.

PS. Sem dúvida, EMPATIA é palavra da vez. Antes de dar o seu pitaco, lembre que 2020 não está fácil pra ninguém. 

Para saber como eu ajusto a minha rotina diária com a maternidade, é só me seguir pelo Instagram clicando aquiConfira também os textos das outras participantes do Projeto:

Gabriela (Toronto, ON) | Gaby no Canadá
Beatriz (Vancouver, BC) | Biba Cria
Carol (Mississauga, ON) | Minha Neve e Cia
Danielle (Toronto, ON) | Vidal no Norte
Livi (Toronto, ON) | Baianos no Pólo Norte
Mari (Calgary, AB) | De Bem Com a Vida
Nayara (East Gwillimbury, ON) | My Family no Canada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *