Projeto Canadá: Impressões de um casal que está iniciando a vida em Toronto
Entre as milhares de histórias que recebo, essa é uma daquelas que você percebe que tem tudo para dar certo. É um casal novo, super dedicado e que chegou no Canadá há pouco mais de seis meses para fazer a roda girar. Eles não se acomodaram. Estão descobrindo cursos e aproveitando todas as possibilidades que a província de Ontário oferece para que a adaptação no País seja a melhor possível. As portas irão se abrir, é só correr atrás e ter paciência.

Confira a história do Fábio e da Taciana e veja que se você se organizar direito o processo adaptação no Canadá pode ser mais fácil do que se imagina.

Canadiando: Qual o motivo que despertou em vocês o “Projeto Canadá” ?
Fabio: A necessidade de encontrar estabilidade para nossa futura família e vislumbrar um futuro com mais tranquilidade. No Brasil, seja pela questão social quanto pela empregabilidade, achávamos que nunca estaríamos em paz.
Taciana: ​O que me despertou maior vontade de tornar esse projeto real foi a questão da insegurança que vivíamos no Brasil: sempre andávamos com medo, nunca nos sentíamos em paz e não queríamos deixar esse legado para nossos futuros filhos.

No Rio de Janeiro, apesar de morarmos num excelente bairro, a cada ano só aumentava a violência e a insegurança.  A impossibilidade de se locomover pela cidade foi nos deixando cada vez mais angustiados. Além disso, a vida estava se tornando muito cara. O pontapé inicial aconteceu no final de 2016. A idéia era sair do país mas ainda não tínhamos batido o martelo pelo Canadá (apesar de já fazer parte de nossos planos).

Arquivo pessoal
Canadiando: Qual o motivo de escolher Toronto ? Qual foi a primeira impressão ?
Fabio:  Nós estudamos muito todas as cidades e províncias antes de decidir. Fomos eliminando até sobrar Vancouver, Toronto e Calgary. Eu preferia Calgary e minha esposa Toronto. Toronto  – então – venceu por 2×1 : )
Já tinha visitado a cidade há alguns anos. Toronto é uma metrópole com o jeito americano de ser, muito respeito ao próximo e à coisa pública. É o tipo de situação que não vemos no Brasil. A tranquilidade e a qualidade de vida deste lugar me impressionam.
​Taciana: A nossa decisão foi baseada nas oportunidades de trabalho em nossas áreas. Toronto foi a minha escolha, não somente por ser uma cidade grande, mas também pela facilidade (nos primeiros anos) de nossos familiares poderem nos visitar sem tantas conexões.
A primeira impressão foi impactante. Não esperava ver tantas pessoas com problemas mentais nas ruas, mas depois consegui relaxar e entender a dinâmica da cidade. Toronto tem seus problemas. Mas estas questões são superadas pela forma com que se vive aqui. É uma cidade é vibrante, pulsante, alegre e me sinto muito segura. Achei o transporte público excelente.
 
Canadiando: A idéia é estudar, trabalhar ? Vocês já vieram como residentes permanentes ?
Fabio: Já viemos como residentes permanentes e isso e isso facilitou muito a minha realocação no mercado. Em apenas quatro meses consegui uma posição em minha área. Mas também estamos abertos a estudar e entendo a importância disso para nos integrarmos com a cultura canadense. 
​Taciana:  Pretendo trabalhar logo que possível. Preciso melhorar o inglês para me sentir mais confiante. Estou estudando o idioma em um programa subsidiado pelo Governo. A escola é excelente. Descobri através do YMCA, uma instituição sem fins lucrativos que oferece auxílio a imigrantes e refugiados. O serviço que eles prestam é muito sério e de extrema qualidade. Após o landing fomos até uma unidade do YMCA para fazermos a avaliação do nosso nível. Foi assim que descobrimos os outros serviços oferecidos pela instituição. Além disso, já fiz outros cursos e participei de palestras gratuitas que fazem parte do “pacote” de auxílio aos recém-chegados.
Esse é um ponto que sempre ressalto quando algumas pessoas me perguntam sobre a possibilidade de vir como turista e se virar por aqui.  
A vida, de fato, é muito mais fácil se você já vem como residente permanente. 

Canadiando: Você já falava inglês ou francês ?
Fabio: Sim.
​Taciana: Eu falo apenas inglês e estou estudando para aperfeiçoar e melhorar a minha comunicação (com apenas quase 2 meses e meio de Canadá já tive uma evolução significativa).
Arquivo pessoal

Canadiando: O que foi mais difícil deixar para trás ?
Fabio: ​A família e os amigos. Apesar da tecnologia atual nos ajudar a diminuir as distâncias, a falta da convivência é algo ainda difícil. Mas dá para superar. De resto, encontro tudo por aqui. Acho que trocar meu pão francês do Brasil pela paz que o Canadá nos proporciona é uma troca tão boa que as coisas que deixamos para trás nem passam mais pela nossa cabeça.
​Taciana: Sem dúvida a família e os amigos, principalmente minha amada vozinha. Eu já tive uma experiência de viver distante de meus pais e irmãos, então já estou meio acostumada. A vida aqui no Canadá é tão mais fácil e simples que acabo não sentindo falta das coisas que ficaram no Brasil.
Ah, lembrei de uma coisa que me faz falta pra caramba: água de côco fresquinha : )

Canadiando: Pelas suas pesquisas, para qual província você não iria? Qual motivo?
​Ambos: Não iríamos para as províncias mais ao Norte, basicamente pelo frio. O frio de Toronto já é o suficiente !

Canadiando: Qual a sua principal fonte de pesquisa sobre o Canadá ?
Fabio: Google! É sempre o primeiro passo, mas existem outras ótimas fontes. O Numbeo, por exemplo, é importantíssimo ao escolher onde morar, pois tem estimativas de custos de praticamente tudo que se usa no dia-a-dia. Também é importante ler sobre os programas de “Pre-Arrival” de organizações financiadas pelo Governo. Use o máximo que puder dessas fontes. Usamos também o SOPA – Settlement Online Pre-Arrival, o Next Stop Canada (da YMCA) e o CanPrep, da JVS.
Taciana:Além de todos os recursos informados pelo Fabio, usamos como fonte de informação sites, blogs e canais no Youtube, inclusive o Canadiando : )

Canadiando:  Como foi o processo de documentação para conseguir a residência permanente ?
Ambos:  Entramos no pool do Express Entry no dia 1 de agosto de 2017 e no mesmo dia – depois de um dia de trabalho puxado e cansativo –  não hesitamos e preenchemos nossa aplicação. A nossa surpresa foi que no dia seguinte já recebemos um email do Governo informando que nossa pontuação entrou no corte. Isso é um alerta para as pessoas que estejam com uma boa pontuação e toda documentação em andamento: não percam tempo e entrem no pool o quanto antes ! Foi o nosso caso. Se tivéssemos deixado para depois teríamos perdido um corte do pool (ranking), no qual, nossa pontuação permitiu a entrada por apenas três pontos.
Já havíamos adiantado muitos documentos (como tradução juramentada, por exemplo).  Para não corrermos o risco em enviar algo errado contratamos uma agência de consultoria de imigração. Essa parte foi fundamental para a agilidade do nosso processo. Enviamos nossa documentação para o Governo canadense em novembro de 2017 e não tivemos questionamento algum. Em fevereiro de 2018 recebemos o comunicado solicitando a entrega dos nossos passaportes para a emissão do visto de residente permanente : )

Canadiando: Como vocês imaginam a nova vida em terras canadenses ?
Ambos:  Uma vida bem tranquila, sem tantos solavancos como é normal no Brasil. Queremos começar logo a trabalhar para darmos o próximo passo na construção da nossa família. Nossas ambições são bem simples.
Não nos importamos em dar alguns passos para trás se a nossa vida no Canadá ​for tranquila, segura e feliz !
O que mais importa é se sentir bem onde quer que seja e dar o seu melhor.
Canadiando: Qual o maior medo em emigrar do Brasil ?
Fabio: O medo de como seríamos aceitos por aqui. Se conseguiríamos bons empregos, um  lugar razoável morar, enfim, construir uma vida em paz. Um receio maior a respeito de coisas que não dependem exclusivamente de nós. 
Taciana: Começar do zero, essa foi a minha maior aflição. Além disso, você pensa em todas as áreas da sua vida. Tinha receio de iríamos nos recolocar no mercado de trabalho. Mas os profissionais daqui são abertos e bem amistosos. Em breve  acredito que estaremos empregados. Também pensei muito na questão do cima, do estilo de vida etc. Mas de fato, desde que eu cheguei me sinto integrada e feliz. 

Canadiando: Vocês também cogitaram a possibilidade de imigrar para outros países, quais?
Ambos: Sim. Estivemos a um passo de irmos para a Holanda em função de um mestrado.  Foi uma decisão muito difícil, pois ainda não tínhamos sido aprovados pelo Governo Canadense. Mas no fim deu tudo certo e aqui estamos nós. 

Canadiando: Qual o melhor conselho para quem está iniciando o Projeto Canadá ?
Ambos: Pesquisar exaustivamente. Cada família que vem para o Canadá tem uma experiência muito singular e não existe receita de bolo.
Só você sabe da sua situação de vida no Brasil e onde realmente o “calo aperta”. Não é uma decisão fácil, pois a pessoa tem que estar disposta a abrir mão de algumas coisas para ter outras.
Procure tirar o que achar de bom de cada história e construir sua própria visão de futuro. Estude bastante para não deixar que nada lhe pegue de surpresa. Existem muitos recursos gratuitos que o governo disponibiliza para os imigrantes. Planeje, organize e junte o máximo de dinheiro que puder, isso é fundamental. Nada é impossível quando se tem dedicação e quando se deseja de coração algo. A jornada até aqui é cheia de privações e desafios, então procure manter-se positivo o tempo todo. Não se esqueça de se divertir com o processo : ) 

O Projeto Canadá visa contar as que conta as histórias dos futuros imigrantes de língua portuguesa que estão planejando o melhor caminho para  recomeçar a vida na América do Norte.
🎯 Se você pretende vir para o Canadá, está com tudo planejado e quer dividir a sua  história e ajude a inspirar muitas pessoas com o seu projeto –  mande uma mensagem pela nossa página do Facebook .

Porque a odisséia começa bem antes de pisar em terras canadenses. 🍁

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »