Projeto Mães no Canadá: As vantagens e desvantagens de se criar filho no exterior

Sempre recebo muitos questionamentos sobre as vantagens de criar os filhos no exterior, no meu caso, em
terras canadenses.  E as desvantagens ? Pois bem, elas também existem. Como todas as coisas da vida, há sempre o outro lado da moeda. Nem tudo é perfeito, muito menos o Canadá. Temos uma vida tranquila, incomparável. Mas quem vive em sociedade está sujeito a todas as mazelas associadas a ela. 

Não há como criar seu filho ou filha numa bolha intocável com risco zero. Crianças precisam ser crianças mais do que nunca. Aqui elas sofrerão as dores do crescimento da mesma forma. A diferença é que a vida no Canadá é muito simples. E para os pais, nem se fala. 

Para exemplificar, detalhei alguns pontos  – em ordem aleatória  – que considero “vantajosos”  principalmente na região onde hoje moro,  costa leste canadense. São eles: 

Segurança:
Sim, esse é o ponto número um. Segurança para deixar meu filho de seis anos brincar na rua, correr num jardim sem grades ou muros e esquecer a bicicleta jogada no quintal sem se preocupar com nada.

Ter a tranquilidade de passear de carro com todas as janelas abertas e tomar aquele vento gostoso no rosto durante os meses de verão.
Eu poderia dar milhares de exemplos, mas posso dizer que nos últimos anos que morei no Brasil vivia com  muito receio de ser assaltada, principalmente quando estava dirigindo com meu filho preso à cadeirinha no banco de atrás do carro.

Explico: Há alguns anos, quando morei no Rio de Janeiro, tive uma colega de profissão muito próxima que trabalhou diretamente na cobertura do caso do menino João Hélio. (Para quem não lembra, é só clicar aqui). Na época vi fotos e acompanhei tudo de perto. Foi algo aterrorizante que nunca saiu da minha cabeça. Em relação a isso, aqui me sinto 100% segura. E isso faz toda a diferença. Mas é um trauma pessoal.  

Custo de vida:
Embora filhos custem “caro” em qualquer lugar, tenho certeza que no exterior, no meu caso, no Canadá, é muito mais barato que no Brasil. Dependendo do estilo de vida que a família leva e os valores que almeja passar adiante, viver com ostentação não é algo comum nesta região do planeta.

Já expliquei sobre isso no post anterior. As crianças tem acesso a escolas públicas de excelente qualidade e atendimento médico, ambos gratuitos. Isso, claro, dependendo status de permanência no país caso ainda não tenha cidadania. O governo também oferece uma ajuda de custo para as famílias com filhos ( “Canada Child Benefit. ).

Diferenças culturais:
Esses dias reparei na beleza multicultural do grupo escolar dos meus filhos: todas as cores, olhinhos puxados, cabelos loiros, escuros, enrolados, lisos enfim, um luxo.

Fico imaginando na oportunidade maravilhosa poder criá-los entre tantas diferenças culturais e raciais. Penso que seus neurônios estarão se conectando com muito mais criatividade e vigor. 

Só vejo vantagens em proporcionar a eles esse ambiente recheado de sotaques e diferenças. É a única saída para termos um mundo com menos intolerância em diversos aspectos.



 

Bilinguismo ou trilinguismo:
Outra vantagem incrível. A possibilidade de aprender fluentemente uma segunda ou até terceira língua. Moro na única província oficialmente bilíngue do Canadá e meus filhos, de 3 e 6 anos, já falam e entendem francês e inglês, além do português.

O mais velho com maior fluência, é claro. Mas a pequena já começou a falar e vem surpreendendo. Não digo isso como mãe coruja, até porque sou contra encher as crianças de expectativas e cobranças. Mas porque vivendo aqui, eles aprendem naturalmente. Não dói.

Também percebo que muitos filhos de brasileiros já perderam o interesse pelo português. Não condeno. Cada família sabe o que faz. No meu caso, sempre disse que a língua da mamãe era o nosso código secreto. Foi o suficiente para mantermos o idioma vivo. Meu lema: em casa somente português e na rua se virem com o resto. E o nosso código secreto segue mais vivo do que nunca entoado por um lindo sotaque.

E vamos para o outro lado da moeda. Quais seriam as desvantagens de se criar filho no exterior ? 

Distância da família:
Esse é o ponto que mais incomoda a boa parte dos imigrantes que conheço. É a falta de contato com os avós, tios e tias. A ausência das brincadeiras com os primos e as memórias que se constroem nesses momentos.

Mas penso que isso poderia ser pior. Imagina se tivéssemos ainda na era pré-internet ? Hoje pelo menos temos as videoconferências por skype, o Facebook e o tal “zapzap” que apita ininterruptamente.  

Embora não exista o elo físico, o abraço gostoso, ainda temos o som  e a oportunidade de ver quem está do outro lado do planeta na hora que se bem quiser. No fim das contas, muita gente  tem mais contato com os familiares hoje, via web, do que quando habitava na mesma cidade e vivia no ritmo louco de vencer a batalha de cada dia. 

Uma forma diferente de afeto:
Enquanto nós, brasileiros, precisamos abraçar, beijar e tocar, nem todo mundo é igual a gente. Isso não significa que outros povos sejam frios e avessos ao afeto, mas são formas distintas de demonstrar carinho.

Meus filhos continuam muito “brasileiros” neste aspecto. E conforme estão crescendo já começam a perceber melhor essas diferenças. Meu conselho: continuem sendo brasileiros, mas aprendam a respeitar o espaço de quem ainda não conhece a nossa maneira de ser e agir.

Os meus amigos canadenses (mais próximos) já me dão um abraço apertado e alguns até ensaiam um beijinho rápido na bochecha. Isso já é um grande avanço. A influência inglesa aqui na costa leste ainda move todos a esticarem a mão para cumprimentar. Mas o toque francês ajuda a amaciar a carne. Temos muito a contribuir nesta área para com o resto do mundo ❤

Falta de apoio logístico: 
Sim, criar filhos no exterior é para os fortes. Principalmente “parir” em terras estrangeiras. Aqui babá custa caro e boa parte das famílias se vira nos trinta. Dificilmente você terá aquela rede amigos para quebrar o galho, deixar seus filhos ou segurar o seu bebê enquanto você toma um banho rápido. Sou admiradora de carteirinha das mães canadenses que criam as proles sem babá, trabalhando fora etc.

De fato, as vantagens e desvantagens mudam pra cada família. É uma opinião bem pessoal que envolve a maneira de encarar os prazeres e as dificuldades de se lançar pelo mundo. O importante é ter em mente que os dois lados da moedas sempre existirão 🍁

Confira também os textos das outras participantes do projeto:

Gaby (Toronto, ON) | Gaby no Canadá 
Adriane (Ottawa, ON) | Like a New Home
Carol (Vancouver, BC) | Fala Maluca
Carol (Mississauga, ON) | Minha Neve e Cia
Livi (Toronto, ON) | Baianos no Pólo Norte
Mari (Calgary, AB) | De Bem Com a Vida
Vanessa (Calgary, AB) | Partiu Canada BR
Beatriz (Vancouver, BC) | Biba Cria
Alessandra Cayley (Toronto, ON) | Alicia e Outros Papos
Renata (Burnaby, BC) | Mala Inquieta
Amanda (Winnipeg, MB) | Viva Manitoba
Dani (Toronto, ON) VidalNorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »