Todos os anos, entre os meses de abril e maio, New Brunswick se agita com diversos encontros no “Sugar Shack” “Cabana à Sucre, ou simplesmente  “cabana de açúcar”.  É um dos sinais de que o verão está próximo e a glicose vai bater lá no teto.

Isso porque a seiva está brotando das árvores a todo vapor. É a hora certa de preparar uma das principais delícias canadenses: o famoso xarope da árvore de Maple, conhecido popularmente como Maple Syrup. E tem que ser rápido. Porque a seiva só brota no início da primavera, quando a temperatura cai abaixo de zero durante a noite e sobe acima de 0 graus Celsius durante o dia. É uma tradição antiga e que muitas famílias desta região, e principalmente de Quebec, passam de uma geração para outra. 

Um pouquinho de história

A tradição de sugar-off, ou retirada da seiva, se estabeleceu em tempos remoto em comunidades indígenas das florestas da América do Norte e sobrevive até hoje. Tudo começou muito antes da chegada dos Europeus. É sabido que os povos  – Abenaki, Haudenosaunee e Mi’kmaq –  que viviam nas florestas mais orientais do território canadense, valorizavam muito a seiva adocicada que pingava das árvores nesta época do ano.

Algumas tribos utilizavam para cozimento de carnes, o que originou inclusive as carnes curadas com maple. Era uma maneira de preservar os alimentos para os meses de inverno. Cada tribo tinha a sua técnica, mas a maioria batiam nas árvores cortando os troncos em forma de v na casca, após colocavam uma espécie de tubo que servia como uma torneira . 

Quando aqui chegaram, os colonos franceses aprenderam com os povos indígenas como explorar as árvores para obter seiva e como cozinhá-la para reduzi-la ao xarope doce ou às placas de açúcar que seriam armazenadas para uso posterior. Por fim, a produção “comercial” de mapple syrup iniciou no final do século XVIII e início do século XIX. Os colonos perfuraram buracos e os encaixaram com bicos de madeira através dos quais a seiva fluía e era coletada em troncos ocos. A seiva era transportada para uma barraca de açúcar (alternativamente sugar house, ou cabane à sucre em francês – Daí nome ), onde era fervida até o xarope em grandes panelas de metal sobre um fogo. Com o tempo, as inovações nos métodos de evaporação diminuíram a quantidade de tempo que levou para reduzir a seiva.

Segundo dados do Governo de 2015, a província de Quebec, é a maior produtora de Maple Syrup canadense, seguida pro New Brunswick, Ontario e Nova Scotia, respectivamente. Existem  inúmeros “sugar camps” para provar essas delícias Clique aqui e confira 

A minha experiência

Há poucos dias tivemos o privilégio de visitar a cabana de açúcar de um amigo.  A estrutura, embora pareça simples, tem que ser perfeita para que a seiva colhida alcance a temperatura exata. Não basta somente ferver o líquido.  

O que era para ser um simples passeio  virou uma grande aula. Um retrato de como os canadenses interagem com a natureza, e acima de tudo, respeitam esse pedaço de terra ainda tão pouco explorado. Aqui vale a máxima: Pra ser feliz, não se precisa de muito. E tenho dito.  : )

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *